segunda-feira, 25 de maio de 2009

O JOGO

colagem: Pedro Thomé
video

assistimos a tudo como quem não quer nada
assistimos ao jogo, qual é a parada?
O jogo acabou um pouquinho mais cedo
a vila queimou com um pouquinho de medo
a puta cobrou e eu que recebo.





sugestões de trilha:
novio/moby, alegria vai lá/domenico + 2, canto de ossanha/vinícius de moraes, are you ready?/grand funk rail road

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Elogio ao Humaitá

Tudo tem no humaitá.
Tem gol de ônibus,
tem boa pinga,
tem volta no quarteirão.
Tem bossa nova, falta ainda
aquele sambão.

Tem comida, bebida,
cê vem? eles não vão.
Vem pra cá deixa eles pra lá,
falta tu mas nada não.
Tudo tem.
Tudo tem no humaitá!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Final de Praia

O mundo da advocacia é muito doido. Sempre que eu ia ao tribunal, achava aquela profusão de vestidos muito estranha. Adorava, mas era muito difícil entender porque naquele lugar burocrático ao extremo tinha tantas pernas de fora. Vida de estagiário não é mole. Muita fila pra pegar durante a semana.
Sempre que eu tinha que ir no fórum seguia a mesmíssima técnica de sempre: nas escadas esperava um vestidinho passar e ficava dois degraus abaixo. Subir escada vendo bunda é muito mais fácil. Outra coisa essencial é música. Fila sem música é impossível, a música numa fila é tipo óculos escuros (em dia de sol) para os nosso ouvidos.
Chego na janelinha 11 do quarto andar. e vem a Velha. Tiro os headphones e entrego o papelzinhoqueomeuchefemedeu, processo 1345, 2749b e 02rj345. A Velha volta uns 15 minutos depois, com 3 pastas. As três pastas tem um dispositivo interessante, que consiste em um barbante enrolado em um eixo de papelão. A Velha desenrola os três em tempo recorde para tanta melancolia. Escreve coisas no papel, carimba, põe uma etiqueta, e me devolveoutropapel que eu vouentregarpromeuchefe.
Missão cumprida. Descer eu prefiro de elevador. É o jeito mais rápido de sair. Mesmo com os vestidinhos, mesmo com música, o que vale é descer de elevador pra sair rápido. Setinha vermelha piscou – tá descendo! O ascensorista acabou de almoçar, ta com a blusa meio aberta e recostado pra trás. Isso tudo torna o elevador um teste bastante difícil nesses últimos momentos de fórum. Saindo do elevador dá pra ver muuita gente na fila pra subir ali. Que bom que hoje é sexta e já são 3:30, eu trabalho até as 4 acabou de começar o horário de verão

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Frase de ontem


A ficção é a arte da vagabundagem

terça-feira, 12 de maio de 2009

inspiração

Matéria: Massive Attack
Máximo o material.
Inspira, respira,
parece um carnaval.
Lembranças voltam
tortas,
Empunhando um punhal.
Borboletas na esquina
desviando alguem pro mal.
Desembola essa menina, caga um bolo e faz: miau!

domingo, 10 de maio de 2009

Foi um show foda

O Cenário era uma asa-delta. Já no ali o show era um convite para um voô, uma viagem. A banda veio disposta quase que no 4-4-2 manjado do futebol. A bateria quase dentro da asa-delta, baixo e guitarra nas pontas e Caetano a frente.
A Banda Cê tem 3 componentes. Muito simples, hipnótica e acertada. O Caetano falou sobre Augusto Boal e consciência de Palco. O show foi harmônico. Desde a iluminação até a presença/consciência de palco dos artistas lá presentes.
É bonito ver uma pessoa fazer um show assim. Um show com uma referência, com um cenário daqueles, luz, música, propostas, projeto, pesquisa, vj, coisa antiga. O Caetano é uma mistura, ou melhor aprendeu a misturar. Coerente e original. A idéia da banda Cê abriu um novo caminho, uma nova viagem, uma feliz viagem.
Sempre indo ouvir o show entre o baixo e a bateria, fez reverência a Banda Cê. A bateria que tá lá sempre propondo e criando clima, ao baixo e teclado que fazendo base e melodia, e a guitarra que hipnotiza e dá peso.
Agora, o Caetano ao vivo! Me deu pique de ir aos shows de Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethania e tantos outros. Nunca disse isso e agora digo: Caetano, ao vivo pelo menos, é melhor que Jorge Ben. Pronto disse. Caetano foi completo e mais do que tudo sincero.

P-zicologia

Os P-sicólogos são aquelas pessoas (boas), que você dá o pause no jogo e pergunta como é que chuta mesmo? Com eles as regras, neuroses, manias, do seu mundo não se aplicam. Voluntariamente.
São um pedido de tempo. Eu sempre me perguntei se, num time de futebol o que seria mais importante, o técnico ou o capitão? O capitão tá dentro de campo, o técnico de fora. Uma vontade interna manda muito mais do que uma reflexão externa. Por isso, cheguei a conclusão: de que nunca vou ter alta e um dia
tenho que parar de ir na terapia.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Cabeça Falante

Flexão, flexiva, flexante,

amor que subia flamejante,

ator que figura aquele instante,

eo caetano eos acordes dissonantes,

desliga o auto falante.

terça-feira, 5 de maio de 2009

IDA AO TEATRO ou - Normalmente se aperta o play

vestido marrom, ingressos, de janeiro a junho de 2008
Valentin. Foi lá que o cico deu a primeira direção
Tabaco além do que se deve (mesmo)
Normalmente se entra pela porta. Silhuetas no vizinho cartola e nariz, cabaré alemão, mobília antiga,
objetos quebrados, objetos muito quebrados.
discussões que não deram em nada roupas velhas, cigarro, cachimbo, atrasos, não idas... um curta-metragem, um terraço em botafogo.
Espaço Mateus Solano. O Tablado, lanche das 8 youtube, google,
flickr, blogspot e uma mesa rabiscadamúsica clássica, bolsa da câmera e tardes chuvosas. piano antigo, violino novo Herr Müller Idiot!
Cinco cadeiras, 80 horas filmadas. caderno, foca velha,teatro obrigatório, cigarro de palha, pano preto, madrugadas, hutladen, trapézio,
uma semana em nova friburgo.rodrigo arruda, clube monte-líbano,
quartinho, preguiça, 1 ano, tecladinho,
karl valentin,
6 atores.

IDA AO TEATRO
Normalmente se aperta o play