sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

tesão natalino

Dia 23 de Dezembro, AÉCIO decide que vai levar seu plano a frente e resolve convidar SÔNIA para um jantar indecente as 9 da noite no motel ali perto do escritório. Ele prentende contar para sua família amanhã (dia 24) que vai fazer plantão a noite inteira na empresa em que trabalha.
Aécio é gerente de vendas de uma empresa de telemarketing e desde o início do verão repara em Sônia e nos vestidos e saias que Sônia usa. Ela era uma entre mil operadoras e sempre muito simpática. Não raro dava conversa para seu gerente de vendas. Era nova na empresa e precisava do dinheiro para completar os estudos de Letras. Sempre teve o sonho de ser professora e ser Tia de Creche.
Aécio esperou o momento certo, e quando viu que estavam sozinhos no elevador tomou coragem e perguntou
Ao fazer a proposta, Aécio quase se desestabilizou. Ouviu:

SôNIA - Eu vou. Mas com uma condição. Não vou dar pra você. Não quero confusão. Você é casado e eu não gosto disso. Me pegue na portaria do prédio da minha vó. O endereço é Rua Doutor Satamini 302.

Sônia só tinha a avó no mundo. A velha era toda a familia que tinha contato. Aécio era bonito, educado e gentil. Era também seu chefe. Com um pouco de maldade e sabendo provocar seu gerente ela pretende quem sabe talvez algumas regalias.
Durante o café da manhã, Aécio dá mais um passo rumo ao adultério natalino.

AéCIO - Meu amor, não me espere pra ceia hoje tá? Eu vou fazer hora extra. Ganhar uma graninha e garantir nossa viagem de fim de ano tudo bem?

ANDRéA - Odeio seu trabalho. E as crianças? Eos presentes? O Cássio, seu primo, vem de Minas para nossa ceia!

AéCIO - Bom podemos abrir os presentes agora e quanto ao Cássio eu o vejo amanhã. Afinal de contas o dia do natal mesmo é amanhã! Assim todos ficam felizes. Eu trabalho vocês ceiam.

Aécio passou o dia num arrumando os detalhes do encontro. Nunca tinha chifrado a mulher mas SôniA Realmente virou sua cabeça. Com seus 25 anos era um mulherão. Estava com 40, casado a quase 10. Toda aquela pureza chamava sua atenção.
As 9 da noite atravessou o túnel rebouças para buscar a potencial amante. Mesmo Sônia tendo sido veemente com relação ao sexo. Ele pensava:
.
AéCIO - Tudo se conversa, tomamos um vinho conversamos um pouco e logo logo tudo se ajeita.

Ela já estava lá na portaria. Foi ótimo, assim não se expôs buscando a potencial amante em um ambiente público. Foram para o motel e Aécio escolheu o melhor quarto.

Enquanto isso. Na casa de Aécio. Sua esposa atende ao interfone:

ANDRÉA - Cássio? Pode subir!

A campainha toca, e Cássio entra depois que a esposa abre a porta. Cássio é um rapaz do tipo bem apanhado e apa renta uma vitalidade pouco comum para sua idade. Cássio é um partido e tanto, cronista de futebol , escreve para o Correio de Minas e apresenta um programa na Rádio de BH.
Cássio - Ué, cadê o primo?
ANDRÉA - Seu primo inventou uma hora extra hoje, o menino tá no banho e o resto da família já está chegando. Sinta-se a vontade.

Cássio senta no sofá, liga a televisão e escolhe um documentário sobre o hexacampeonato do flamengo. Andréa começa colocar a mesa e Cássio olha para Andrea todas as vezes em que ela se abaixa para colocar os pratos nos seus lugares. O resto da família chega e Andréa começa a cumprir sueu papel de boa esposa e começa a fazer sala para seus convidados. Lá estão o irmão de Aécio com a esposa e a filha, Além de Cássio que parece bastante enturmado.

Na tijuca, Sônia entra no carro põe o cinto e cruza as pernas. Aécio sente um calafrio quando vê os pelinhos dourados que completam sua pele branquinha.

AéCIO - Quer saber o nome do lugar que nós vamos? (Silêncio) Hotel Serrano, é no LArgo do MAchado, um lugarzinho: bom, bonito e barato.

SÔNIA - (pouco entusiasmada) Legal. Você que manda...

Na casa de Aécio todos estão ceiando: seu primo e sua esposa, seu filho, seu irmão, sua cunhada e seu sobrinho. Cássio é um homem de extrema educação, aproveitou a oportunidade e fez tudo de acordo com a cartilha, cortou o perú, puxou a cadeira para Andréa, e em todos os momentos em que ela perguntava sobre o marido tratava de tranquiliza-la servindo mais uma taça de vinho. A situaçnao estava ficando realmente constrangedora. Andréa não conseguia olhar para o cunhado e nem para sua esposa. AS crianças de certo não perceberiam nada.

CáSSIO - Aécio é um cara esperto Andréa, está garantindo uma segunda luaa de mel pra vocês. Eu também faria isso, passar uns dias só com você.

Aquela ceia inusitada estava enchendo a cabeça de Cássio de idéias. Conhecia o primo desde criança, sabia da existência de Sônia e Andréia era um pedaço de mau caminho. Tinha 35 anos que muito bem distribuídos não passavam por 27. A gravidez tinha lhe feito bem aumentando suas tetas e alargando seu quadril. Agora restava a ele tentar.
Na hora em que foi a cozinha buscar as sobremesas resolve ligar para o marido. Andréa tenta ligar pra o escritório e nada. Liga para o Celular e Aécio atende.

ANDRéA - Alô? Meu bem? Já tá terminando? O peru está uma delícia, nós já estamos saitisfeitos, mas se você quiser te esperamos para a sobremesa. Ele é ótimo! (um pouco afetada pelo vinho)

Aécio estava enfrentando uma dura batalha. Sônia era uma moça obstinada. E por enquanto só o que tinha era uma vista de suas coxas por baixo do vestido. Andréa também. Cansada das investidas de Cássio reclamou enquanto tirava o pudim da forma:

ANDRéA - Cássio, olha eu sei que você é muito próximo do meu marido. Sou casada com ele a 7 anos e amo ele. Seria agradável se você parasse com isso.
Das duas uma: ou Cássio calou porque recuou estratégicamente ou realmente concordava com Andréa.

No Largo do Machado, Aécio estava bastante feliz, no momento recebia uma massagem nos ombros e sentia os seios de Sônia encostados nas suas costas. Aquela mulher estava brincando com ele. O sexo ainda estava longe de vista mas tinha a noite inteira para tentar. A massagem era um bom começo. Quase não acreditou quando ela tirou da bolsa um pijaminha comportado mas quase transparente

Cássio depois de uma ceia inteira fantasiando, fantasiando, fantasiando resolveu esperar as crianças irem dormir e o irmão de seu primo ir embora.

No motel as coisas quase não andavam o Aécio começava a perceber que Sônia era uma moça de palavra. Sexo não estava nos planos de Sônia. Assistiram um pouco de TV, Ceiaram a comida do restaurante do motel e converesaram um pouco depois.

Depois que o irmão foi embora e o filho foi dormir, Cássio e Andréa resolveram abrir mais uma garrafa para esperar Aécio. Na metade da garrafa Andréa parecia outra. Não refutava os elogios de Cássio e parou de ligar insistentemente para o marido. Aos poucos, Cássio que, de fato era uma "cobra criada", foi se aproximando, brindando. Até que quando a respiração dos dois entrou no mesmo ritmo, Cássio roubou um beijo de Andréa.

Aécio já estava conformado com o fracasso de seu plano. Achava até melhor que nada tivesse acontecido de fato. Não queria trair sua esposa, trairia por Sônia, mas também aceitava seu destino de cabeça erguida. Sônia não cedeu e os dois resolveram ir embora. DEpois de pagar, Aécio e Sônia partem rumo a saída do estacionamento. Está chovendo. quando cruzam a porta da garagem, vêem um casal saindo de um táxi na porta do Motel. Aécio não se contém e solta uma piadinha

AéCIO - Ê, casal! Tomara que trepem a noite toda!

Depois da piadinha infame, Aécio passa uma flanela no vidro para desembaça-lo e consegue enxergar melhor o casal. Esfrega os olhos e percebe que são Cássio e Andréa. Ela cansou de esperá-lo para a sobremesa e estava entrando com Cássio no mesmo Hotel Serrano. Para dar a seu primo o presente que Sônia havia negado para si.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

assintimo muito a sua farta

gente maluca carabina toda na maaaaata

onça forte batalão de salvação

General sortudo enfiô tudo na carça


vai que ôce entra aqui e não sai mais

bonito mesmo é o vai e não vai

tem dragão tem leão

mas comigo não violão!

hoje todo mundo tem

peixe no almoço,


lamento do jeca

assembleia vegetal reunida

macacada varonil veroz tão vendida

amores, fá sustenido na avenida

cerveja pura cachaça braba tão pedida

valham-me contra os fracos.

ê vida mardita!



sábado, 28 de novembro de 2009

zona de conforto X felicidade

(quando tiver 80 anos isso aqui vai estar um pouquinho maior)

as duas me parecem ótimas, as vezes prefiro a zona de conforto.
o conforto, coisa inventada pelo homem , é pra mim uma coisa incrível. Ar condicionado, colchonete, televisão, drogas, carro, praia, barraca, sauna, forno, dvd. O conforto é foda. O conforto é bem estar físico, aliado a paz de espírito pode ser considerado ser confundido com a felicidade. Eu amo o conforto. Depois desse conforto existe também o conforto social, o conforto amoroso, o conforto familiar, etc. Agora felicidade, a felicidade é mais perto da realidade, nela as relações são controversas. Existe angústia na felicidade, ansiedade, vontade, frustração, medo, erro, saudade, mentira também. A felicidade é muuuuuuito mais complicada que o xadrez, por exemplo. Sempre tive preguiça para o xadrez eu sou muito mais o gamão. voltando a terra hoje acordei de um puta sonho bom,, o sonho não era verdade, mas teve a ver com isso. Com a vontade de as coisas darem certo na hora certa. Falta ainda muito para ser feliz, muito desapego ao meu edredon a minha mãe, muito estudo, muito tudo ( que na verdade se transfmorma em nada). Agora nesse reino de sims e nãos com sentido controverso eu to indo, e quero ir mais.

um beijo

terça-feira, 10 de novembro de 2009

tipo liquidificador

automatico
autolimpante
automóvel
autóctone
autônomo
autocontrole

mas eu prefiro mesmo é harmonia interna.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

tá chovendo fósforo!

Lá de fora uma tia gritou:
Tá chovendo fósforo!

Sempre chove sempre choveu.
Com a cama do lado da janela,
eu uso de precisão para acertar
o lado de fora.
Eu recosto e por preguiça, não guardo eles
para jogar fora depois.
e muito menos compro um isqueiro
Jogo sempre coisas pela janela
jogo e sempre joguei.
Agora, por questão de segurança
sempre apago eles.
Não quero queimar nada.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Refrão de Pasárgarda

Fuuuui me embora pra passááárgadaaaaaa.
Láááá nem sou amigo do reeeeeeei.
o resto da história eu não seeeeeeei.
por iiiissoooo não voooou continuaaaaaaaá.
E até essa citaçãããão,
eu só fiiiiiiiz, foi pra riiiiiii -maaaaaaaaaaaaaaaaá.

telefonema depois da novela e antes de dormir

Alô?
Quem fala?
Tô te ouvindo!
Quem é?

É da casa da Bebel?

É, é sim!
tá bem ruim a ligaçãããão.
A Bebel ta aí?
Peraí, vou chamar.

(barulho de passos no telefone)
toco, toc, toc
Bebeeeeeeel, telefooooone!

Allllloou! Quem é?

Bebel, aqui é o joaquim, primo do francisco, do joão, do pedro, do matias e dos gêmeos da sua rua. To te ligando pra dizer para você que eu resolvi te ligar só para dizer que você é linda. Um beijo

tuu tuu tuu tuu tuu

Bebel,que saiu do banho para atender o telefone, ficou lá parada com um sorriso lindo e molhado, molhando a sala toda. Joaquim um menino de 14 anos muito corajoso, não fazia a mínina idéia que sua musa estava semi nua ao ouvir seu elogio.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

RAPTE-ME CAMALEOA

Eu de VJ convidado no sábado. uhuuuu

terça-feira, 15 de setembro de 2009

curiosidade sociológica

Eu entro só quando a porta tá aberta. eu escolho e entro. A porta, não estava assim tão aberta. Mas a minha teoria é essa: quando umclipe de papel consegue abrir, é porque já estava estava aberta. Acho também que entrar de fininho numa casa que tem 5 dvds, 5 tvs de plasma, um sem número de relíquias de guerra e uns 15 tapetes de valor exorbitante, nada mais é que curiosidade sociológica. O que me fode (depois da quinta vez que meu queixo caiu) é pensar o que fazer nesta situação. Sozinho numa casa bizarra eu posso: dar uma festa, quebrar tudo, roubar (dá cadeia), mudar tudo de lugar. Depois de muita reflexão eu assumo uma postura de gato escaldado e resolvo relaxar. Curto alguns momentos sozinho. Aperto um baseado e preparo um drink no bar da sala. Nada melhor que máquina de gelo. Abaixo a burocracia do gelo! Gelo é necessário e é preciso sempre ter um pouco a mão. Huuuum mas que cinzeirinho lindo! É bom não deixar sujeira na casa dosotro. Tiro o sapato e começo a andar pela casa com o meu dry martini numa mão e o beck n'outra. Entre pisar no chão frio e nos tapetes quentinhos deparo-me com uma enoooorme sala de carvalho. Ela me parece um escritorio, pego outro cinzeiroe repouso o meu cigarro nele. Nossa quanta placa, plaqueta, plaquinha, plaquetinha, plaquetazinha. O cara deve ser ferasso no tênis! Tiléc-léc, Blaaam! Será que alguém chegou? Fudeu! Corre! Vira javali empalhado, abajur com lantejoula, vira depressa um objeto de decoração! AAAAh...
-Quem é você?
- Eu? Eu sou seu novo anjo da guarda! (se curva fazendo reverência) Gabriel Rafael, muito prazer! E você desculpe pelo susto, mas na pressa para não me atrasar para o nosso encontro esqueci de decorar seu nome.
- Andressa, mu-muito prazer...
- Então Andressa, Deus, o nosso deuzinho lá, me disse bem assim ó: Vai lá Gabí! Dá um help, uma mão, cuida dela... Ela merece... E aí me mandou pra cá, e olha que eu sou uma raridade! Eu sou um anjo macho!
(se recuperando do susto)- E alcoólatra pelo visto também! (tira o copo de bebida da minha mão) Olha como assim? Sai já da minha casa senão eu chamo a polícia! Mas que cheiro de maconha!
-Bom então coloca o seu polegar aqui (estende a língua) É só pro cara lá de cima saber que eu estive aqui, te encontrei e você me recusou. Tipo assinar aquelas entregas do correio sabe? Mas ó não fica assim não, eu também já fui um descrente, isso passa... Um beijo e tchau. Saio correndo pra sala pego os meu sapatos e sem nem calçar saio porta a fora
(já no elevador rindo por dentro)
- Valha me Deus, anjo ou não eu escapei por pouco dessa vez. Por favor me guarde das portas abertas e dos clipes de papel

carinho pela árvore

arvoredo
arvorosa
arvorita
arvorona
arvorota
arvorete
arvoritica
arvorototosa
arvorenha
arvorense
arbórea
arvorinha
ÁRVORE

sábado, 29 de agosto de 2009

stereo sound

sempre que o stereo sound estourava no estomago do meu ouvido,
a bandidagem dentro do meu cérebro acordava em sobressalto e gritava:
Coé meu irmão o baguio aqui é sério! Vai ficar de caozinho c'us irmão?
Aí era um alvoroço, a feijoada cantava e todo mundo esquecia que tava num periodo de devendra e partia pro pau. Essa quizumba toda, nada mais era que uma puta dor de cabeça e a conclusão de que ligar o ipod no máximo enfiado no ouvido não é uma boa idéia pra não pensar em certas coisas. Estabilizei a galera aqui dentro e parti pra cima do mundo com uma nova e renovada intenção.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

sentimento randômico

o sentimento randomico
caindo quenemneve no inverno.
moviumentos sequenciais
infernos astrais.

to de terno vendo matrix
muita chuva muita neve
breve.
Quanto espaço entre a neve!
quanto vazio também.
greve.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

transporte em amsterdã

Trãaaaaaam! Trãaaaaam!
cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi
Trãaaaaaaaaaaaaam!
cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi
Trãaaaaaaaaaam! Trãaaaaaaaam! Trãaaaaaaaaaaam!
Baiquíiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!
cófishópi-cófishópi-cófishópi
Baiquíiiiiiiiiiiiiiii! cófishópi Baiquíiiiiiiiiiii!
Trãaaaaaaaaaaaaaaaaam!
cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófi-shópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi-cófishópi
Baiquíiiiiiiiiiiii, Trãaaaaaaaaaaaaam!
cófishópi, íuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, trãaaaaaam!
Strraaaaaaaaaaaaat,
Strrrrrrrrrrrrrraaat,
SHROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM!
Saaaaaaal djjjjiiiiii
fruuuuuuuu
taaaaaaaa
sssaaaal
djjiii
frrruuuuuuuuuutttttaaaa...
saldjifrut-
aaaaahhhh..

domingo, 9 de agosto de 2009

Funk do Kebab

É o funk do Kebab,
que tem uma só nota.
Tu corta corta a cabra
e ninguem se importa!

vamu lá!

Sapolio radium do sertao

Sapoli Radium de Verao!
Omo debaixo de um trovao!
O Minerva é a Palas Atena
desse Mundao!
Lavando a roupa aqui em Amsterdao,
descobri que aqui, minha gente,
nao tem sabao em po nao.
Ele é líquido!
Agora, pra eu lavar a roupa,
só falta chover no sertao!



Ps: teclado alemao sem til é foda!

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

receita noturna

Pequeno lanche noturno

sanduíche 1
1/4 baguete
3 fatias de queijo de jong
mostarda (de potinho)
com coca-cola

sanduíche 2
1/5 baguete
3 fatias de queijo de jong
azeite no pão todo
pimenta do reino
com água


a baguete tava quentiiiii, a baguete tava quentiiiiiii, não é mole nãooooo!

tanta coisa

tanta coisa que fala, que cala,
que sente, que mente,
que nunca se cala.
Acaba no fundo
cantinho da alma.
Acaba perdido
e ninguém repara

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

fui morar em atafona

fui morar em atafona,
puta cidade!
ah! as guerras de mamona,
suco de mexerica,
laranja verde...
pé no chão,
cavalo a pelo,
um só correio
pra comprar um
selo!
Belo céu que é só
manhã.
Rei da preguiça
com cara de
santo.
Que tristeeuseria
se não tivesse esse
canto.

sábado, 1 de agosto de 2009

maluquices de meio de viagem

ja dizia caetano: tempo, tempo, tempo, tempooooo. Viajando de trem ou andando por amsterdam, você percebe (até pelo dia que só acaba as 22:00) que o tempo o dia é uma coisa linda a se pensar. Eu to aqui pensando em como vão ser esses próximos dias de viagem, e como eu to com saudade de casa. Fui em alguns pedaços de mundo lindos incríveis e ao mesmo tempo, vem o sentimento de pensar onde você existe. O meu programa aqui em Amsterdam tem sido andar pela cidade. Em algum momento hoje a gente encontrou um parque e ficou ali. Tinha uma homem tocando violão uma árvore o sol e ainda muito dia.... Aqui na europa o tamanho do tempo ta me assustando. Foram coisas que me fizeram pensar. O tempo num lugar onde não se sabe a lingua nem nada. Cheguei em casa as 3 da manha e resolvi escrever. Acho que foi saudade, e mesmo assim eu sei que existem 20 dias ainda... o que quer que isso signifique


um beijo a todos

domingo, 26 de julho de 2009

musica de rua

Fui atrasado para o cinema Le Racine, pertinho da Sourbonne e do Sena. Não tinha Velib pra todo mundo e por isso fomos de metro. O metro é ótimo a gente sempre que chega na estação logo logo aparece um para acabar com o atraso. Outra coisa interessante aqui é que o passageiro que abre as portas do trem. Tem umas maçanetas que permitem que voce abra a porta um segundinho antes de o trem parar. Tipo saltar junto com a pressa. Mas ontem aconteceu uma coisa muito diferente. Voltando do Musee D’Orsay, pegamos o metro na estação Chatellet, e fizemos baldeação em Republique. E naqueles labirintos que conectam uma linha a outra, subindo e descendo escadas, seguindo as placas e elas sempre dando respostas novas eu dei de cara com a banda mais legal do mundo. Eles estavam ganhando um dinheiro low profile entre as linhas 11 e 3 do metro. O minotauro de Crooner, Dédalo no contrabaixo, Teseu numa baterizinha de jazz e Icaro com um trompete. Todos já de cabeça branca adorando quando alguém que vinha desapercebido parava pra escutar o som e gastava alguns segundos ali.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

o dia de hoje e de ontem


A bastilha caiu
A mecanica é ondulatoria
A vida é bela
Assim é que é bom.

Aqui a macieira tem 300 anos
Vai que vai, mas sem passar
Por debaixo dos panos.
Vai de bicicleta mas não guarda caixão
Crepe suzette, uísque e chuva
Mas passo aqui uns anos.

Metroquentepracaralho
Ulala madame!
Valha-me seus olhos verdes.
Belleville (não aquela)
É tudo assim, basta uma árvore
E dá pra tudo.

Valeu galera.
Aquele rei não era de nada,
Tamo em frente, europa é foda
Vamo junto na parada.

em paris no tablet

terça-feira, 21 de julho de 2009

europpa 1

oceano porraaaaaaa,
oceano porraaaaaaa!
dipois que passei por aquilo tudo eu vi que os oceanos sao mesmo foda. Eu nao o vi muito, isso porque o aviao voa alto por demais. So cheguei a essa conclusao depois que fui a praia do Meco e pensei: Cara se eu sair nadando pra frente eu chego, sei la, nos Estados Unidos. Dali ta tranquilo, so descer que eu chego no Brasil. Lindo olhar e pensar que ta todo mundo ligado no mundo, nao por uma moeda, ou por uma lingua ou por qualqquer coisa. O que liga o mundo sao os oceanos. E nao tem nada melhor que tomar um banho de mar e se sentir em casa.

um beijo pra todo mundo (ja to morrendo de saudade)


p.s.: a pontuaçao aqui eh precaria por causa do teclado espanhol onde eu nao achei o til e nem os acentos.

terça-feira, 7 de julho de 2009

cartinha pro papai noel

Papai Noel,

Por favor não me quebre as pernas. Não quero mais saber de meias, brinquedinhos e outros nhenhenheins! O que me importa é DINHEIRO! Di Nhei Ro. Sei que seu critério não é comportamento. Isso tudo é papinho de mãe para eu não assaltar mais nenhum banco. O que aliás eu já to cansado de fazer. Essa rotina não dá mais pra mim. Ficar fugindo, mudando de estado, trocando tiro não dá mais. Por isso estou aqui sendo sincero e rasgando o verbo com você.
muito obrigado,


Babyface
procurado em 17 estados



sábado, 4 de julho de 2009

A Máquina misteriosa (parte 2)

Eu lembro que o início disso tudo foi durante aquele lanche que preparei com chicken popcorn. Aquelas bolinhas de frango deliciosas e fritas. Eu fritei pensando no poder criativo da gordura. A gordura segundo meus estudos estimula a critvidade e ambos os lados do cérebro. Voltando ao lanche… A idéida de pipocas de frango, mas não frango real e sim frango triturado, é uma idéia maravilhosa.
Eureca! A maravilha descoberta pelo professor me fez feliz pelo momento. O gosto daquele momento era tão indescritível que o Professor, como grande cientista que é , levou seu pensamento pra resolução de seu novo experimento. Com essa vontade seus neurônios estimulados pela gordura estabeleceram conexões inéditas que resultaram na solução do problema! Essa grande tabelinha entre, a gordura das chicken popcorns e a solução do invento, e minha e do professor, era agora a minha felicidade.
A minha solução científica estava certa. Agora a do Professor! Aquele líquido. O Azul de Metileno. Com um azul e valor incomums , a substância recebeu o nome do azul mais raro do mundo. O futuro está nos líquidos. O Azul de metileno era o combustível necessário para a máquina. Ainda não tinha nome. Mas, pelo que eu sei é uma máquina que corta o espaço pelo tempo e o tempo pelo espaço. É uma máquina que viaja em 3D.
A descoberta da perspectiva no renascimento foi a descoberta que iniciou o que estava acontecendo hoje. A viagem em 3D. A pintura reanscentista, o cinema 3D, a descoberta do multi-verso, realidades paralelas tudo isso parece que foi bagagem adquirida. Oi, perdão, eu sou Jules Desilier. Sou assistente do Professor Danburry e documentarista de seu trabalho.

terça-feira, 30 de junho de 2009

A Máquina misteriosa (parte 1)

Tá pronto! Tá pronto! Dr .Danbury, tá pronto! A gente não sabia o que ia acontecer mas no fim das contas tudo isso significava que aquele trabalho todo tinha chegado em algum lugar. Enquanto isso nós, eu o Dr. e Jonas (um garoto um pouco mais novo que eu), pensavamos o que ia ser feito daquele maravilhoso bu.... aquele bluai.... Era tão magnífico que nao tinha nome, não saia da boca, eu que tava ali justamente pra isso não conseguia pensar num nomezinho legal e criativo praquele troço bonito. Anda meninos, vamos cobrir isso antes que alguém veja! É importantíssimo que tudo continue em segredo! Quando o Dr. (que era um homem nem tão mais velho, mas com a cabeça já branca) disse isso, eu fiquei com uma baita pena de ter que esconder uma coisa tão bonita.
Depois de esconder tudo direitinho, a gente foi comer na cozinha, como de costume. Não sei se o Dr. já tinha pensado em tudo, mas coincidiu de o lanche estar especialmente especial. Tinha pão fresco, mortadela importada, suco de laranja e até queijo amarelo. Mas não era só a comida que estava gostosa, aquele lugar era muito bom também, tinha um bem estar ali sempre presente. O Dr. tinha construído cada coisa ali, das paredes até liquificador. Usou todo o dinheiro que tinha ganho da família inventando coisas.

terça-feira, 9 de junho de 2009

ódiozinho

sintomaticoeprofano,
eufaloechamotodosossantosparadizerpravocêquenaovoumaistequerer
enemescutarporquevocemeesqueceu entaovaiemboraagoraenuncamais
aparecênaminhafrente.

vê se você entende

fazendo contato contigo

fazendo rima comigo

andando na linha do tipo que nunca lê,

vou pra frente caminhando, sempre em mente

o que a gente sente quando vê e entende

alguém que acredita numas coisa que nem a gente.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Esse é um texto Sensorial ou Medicina


Anteontem (terça-feira), eu senti uma dor de garganta. Como aqui em casa tá tudo meio vazio (acho que pelas idades, minha e da minha mãe) fui ver no clássico armário de remédios o que tinha lá pra resolver o meu problema. Chegando lá não tinha quase nada indicado para mim. Olhei, olhei e só encontrei o trimedal. Pensei: “1 é pouco, 2 é bom e três é coristina!”. Trimedal deve ser pelo mesmo raciocínio. Tomei e fui dormir. Eu sabia que tava doente por outros motivos, mas fato é que na hora o que se pode fazer né?
Acordei e ainda tava sentindo aquela dor horrível na hora de engolir. Segui no trimedal e fui pra faculdade. Chegando lá, dei as caras na aula e fui pro D.A.. Rolou um sentimento de culpa, mas tudo bem eu tava me garantindo no trimedal. Terminada a aula voltei dirigindo pro rio já sobre o efeito do D.A. e do tão confiado trimedal. Eu tava mal e achei que tava na hora de usar essas drogas do jeito certo. Minha irmã é médica, e com certeza ela ia saber qual a droga certa para acabar com essa coisa chata que é a dor de graganta.
Cara, dor de garganta é a coisa mais chata do mundo pra mim, é aquela doença que te faz sentir dor no momento mais sagrado, o comer. Eu tava louco de fome não tinha almoçado ainda, mas tava evitando porque doia. Liguei pra minha irmã já destruído e descrente da vida. Ela me falou com a maior tranquilidade: “toma cataflan!”. Eu cheguei em casa e foi a primeira e melhor coisa que eu fiz em 40 minutos eu tava bem! Resolvi finalmente comer porque afinal de contas, essas drogas são fortes e não devem ser consumidas de estômago vazio. Dormi. Quando acordei, lá veio ela (a dor) de novo, não tive dúvidas: cataflan! E deu certo de novo! O mais engraçado é que eu liguei para minha irmã e ela me respondeu com a maior naturalidade: “Vai tomando de 8 em 8 horas até melhorar.”
Eu perdido que sou fiquei matutando: ““olha como são as coisas né, eu to aqui com dor de garganta, aí vem alguém que me diz: “toma cataflan (que alias tem um nome: diclofenaco potássico) até você ficar bom”. Imagina se chega alguém e diz: Aaaah fuma um baseado até você relaxar… Ou então: Olha só toma aqui essa balinha 2 vezes ao dia até curar a sua depressão””. Tudo bem nem todo mundo pensa isso, mas tudo foi conspirando para que eu pensasse também. Até porque depois me ocorreu a dúvida da pastilha benalet. A pastilha que é feita de uma química pra melhorar a garganta, o cataflan já tinha melhorado ela, foi aí que eu pensei: “bom nem sempre é a boa misturar drogas” e liguei pra minha irmã de novo pra perguntar: “eaí pode?”, no que ela respondeu: “claro!”.
Agora é quinta de manhã ainda eu acabei de tomar o cataflan, suei, tô sem dor, não sei se ela vai voltar depois do efeito, mas o que eu sei é que eu to sentindo coisas além de anesthesia na garganta e isso tudo é muito evoluido, seja para se tomar uma descarga de serotonina, para asisstir a uma comédia ou para curar uma dor de garganta.

terça-feira, 2 de junho de 2009

sempre que dá vontade eu escrevo

sempre que dá vontade eu escrevo.
sempre que dá
sento aqui e vou embora.
Sento aqui.

Silva é aqui no centro
silva é

Salto bem longe,
solto do ônibus
vou em frente procurando uma história.
Barulho, barulho,
vem pra cá, se concentra
e bota pra fora.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

O JOGO

colagem: Pedro Thomé
video

assistimos a tudo como quem não quer nada
assistimos ao jogo, qual é a parada?
O jogo acabou um pouquinho mais cedo
a vila queimou com um pouquinho de medo
a puta cobrou e eu que recebo.





sugestões de trilha:
novio/moby, alegria vai lá/domenico + 2, canto de ossanha/vinícius de moraes, are you ready?/grand funk rail road

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Elogio ao Humaitá

Tudo tem no humaitá.
Tem gol de ônibus,
tem boa pinga,
tem volta no quarteirão.
Tem bossa nova, falta ainda
aquele sambão.

Tem comida, bebida,
cê vem? eles não vão.
Vem pra cá deixa eles pra lá,
falta tu mas nada não.
Tudo tem.
Tudo tem no humaitá!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Final de Praia

O mundo da advocacia é muito doido. Sempre que eu ia ao tribunal, achava aquela profusão de vestidos muito estranha. Adorava, mas era muito difícil entender porque naquele lugar burocrático ao extremo tinha tantas pernas de fora. Vida de estagiário não é mole. Muita fila pra pegar durante a semana.
Sempre que eu tinha que ir no fórum seguia a mesmíssima técnica de sempre: nas escadas esperava um vestidinho passar e ficava dois degraus abaixo. Subir escada vendo bunda é muito mais fácil. Outra coisa essencial é música. Fila sem música é impossível, a música numa fila é tipo óculos escuros (em dia de sol) para os nosso ouvidos.
Chego na janelinha 11 do quarto andar. e vem a Velha. Tiro os headphones e entrego o papelzinhoqueomeuchefemedeu, processo 1345, 2749b e 02rj345. A Velha volta uns 15 minutos depois, com 3 pastas. As três pastas tem um dispositivo interessante, que consiste em um barbante enrolado em um eixo de papelão. A Velha desenrola os três em tempo recorde para tanta melancolia. Escreve coisas no papel, carimba, põe uma etiqueta, e me devolveoutropapel que eu vouentregarpromeuchefe.
Missão cumprida. Descer eu prefiro de elevador. É o jeito mais rápido de sair. Mesmo com os vestidinhos, mesmo com música, o que vale é descer de elevador pra sair rápido. Setinha vermelha piscou – tá descendo! O ascensorista acabou de almoçar, ta com a blusa meio aberta e recostado pra trás. Isso tudo torna o elevador um teste bastante difícil nesses últimos momentos de fórum. Saindo do elevador dá pra ver muuita gente na fila pra subir ali. Que bom que hoje é sexta e já são 3:30, eu trabalho até as 4 acabou de começar o horário de verão

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Frase de ontem


A ficção é a arte da vagabundagem

terça-feira, 12 de maio de 2009

inspiração

Matéria: Massive Attack
Máximo o material.
Inspira, respira,
parece um carnaval.
Lembranças voltam
tortas,
Empunhando um punhal.
Borboletas na esquina
desviando alguem pro mal.
Desembola essa menina, caga um bolo e faz: miau!

domingo, 10 de maio de 2009

Foi um show foda

O Cenário era uma asa-delta. Já no ali o show era um convite para um voô, uma viagem. A banda veio disposta quase que no 4-4-2 manjado do futebol. A bateria quase dentro da asa-delta, baixo e guitarra nas pontas e Caetano a frente.
A Banda Cê tem 3 componentes. Muito simples, hipnótica e acertada. O Caetano falou sobre Augusto Boal e consciência de Palco. O show foi harmônico. Desde a iluminação até a presença/consciência de palco dos artistas lá presentes.
É bonito ver uma pessoa fazer um show assim. Um show com uma referência, com um cenário daqueles, luz, música, propostas, projeto, pesquisa, vj, coisa antiga. O Caetano é uma mistura, ou melhor aprendeu a misturar. Coerente e original. A idéia da banda Cê abriu um novo caminho, uma nova viagem, uma feliz viagem.
Sempre indo ouvir o show entre o baixo e a bateria, fez reverência a Banda Cê. A bateria que tá lá sempre propondo e criando clima, ao baixo e teclado que fazendo base e melodia, e a guitarra que hipnotiza e dá peso.
Agora, o Caetano ao vivo! Me deu pique de ir aos shows de Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethania e tantos outros. Nunca disse isso e agora digo: Caetano, ao vivo pelo menos, é melhor que Jorge Ben. Pronto disse. Caetano foi completo e mais do que tudo sincero.

P-zicologia

Os P-sicólogos são aquelas pessoas (boas), que você dá o pause no jogo e pergunta como é que chuta mesmo? Com eles as regras, neuroses, manias, do seu mundo não se aplicam. Voluntariamente.
São um pedido de tempo. Eu sempre me perguntei se, num time de futebol o que seria mais importante, o técnico ou o capitão? O capitão tá dentro de campo, o técnico de fora. Uma vontade interna manda muito mais do que uma reflexão externa. Por isso, cheguei a conclusão: de que nunca vou ter alta e um dia
tenho que parar de ir na terapia.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Cabeça Falante

Flexão, flexiva, flexante,

amor que subia flamejante,

ator que figura aquele instante,

eo caetano eos acordes dissonantes,

desliga o auto falante.

terça-feira, 5 de maio de 2009

IDA AO TEATRO ou - Normalmente se aperta o play

vestido marrom, ingressos, de janeiro a junho de 2008
Valentin. Foi lá que o cico deu a primeira direção
Tabaco além do que se deve (mesmo)
Normalmente se entra pela porta. Silhuetas no vizinho cartola e nariz, cabaré alemão, mobília antiga,
objetos quebrados, objetos muito quebrados.
discussões que não deram em nada roupas velhas, cigarro, cachimbo, atrasos, não idas... um curta-metragem, um terraço em botafogo.
Espaço Mateus Solano. O Tablado, lanche das 8 youtube, google,
flickr, blogspot e uma mesa rabiscadamúsica clássica, bolsa da câmera e tardes chuvosas. piano antigo, violino novo Herr Müller Idiot!
Cinco cadeiras, 80 horas filmadas. caderno, foca velha,teatro obrigatório, cigarro de palha, pano preto, madrugadas, hutladen, trapézio,
uma semana em nova friburgo.rodrigo arruda, clube monte-líbano,
quartinho, preguiça, 1 ano, tecladinho,
karl valentin,
6 atores.

IDA AO TEATRO
Normalmente se aperta o play