sábado, 27 de fevereiro de 2010

pela porta da fechadura

Monica e Carolina eram vizinhas desde os 6 anos. Passaram para faculdades difentes, mas na mesma cidade o Rio de Janeiro. Suas famílias eram amigas e seus pais eram executivos na fábrica da Cidade. Suas mães davam juntas 3 voltas na pista de cooper do clube e pintavam o cabelo da mesma cor.

Monica era novinha, tinha recém-completos 20 aninhos. Era uma menina precoce intelectualmente. Começou a falar antes de todos da creche. Surpreendentemente também era um avião. Com pouca estatura mas muito charme, era uma delícia indecifrável.
Carol tinha a mesma idade. Era bonita de rosto e de corpo, mas nem de longe esbanjava o charme da amiga. Carol era pragmática e isso facilitava muito sua vida. Era a amiga completa. Tinham praticamente os mesmos gostos, tirando os sexuais.

Enquanto Carol era completamente aberta e bem resolvida, namorava e transava com quem desejasse. Monica era uma verdadeira provocadora. Monica era atriz. Tinha consciência de tudo que era. O prazer sexual equivalia ao prazer da provocação. Monica gostava mesmo era de chegar na beirinha do abismo, ir até as últimas consequências e na hora H ir embora.

No sábado almoçando na sala de casa, Monica comentava com a amiga como estava craque. A última conquista tinha alcançado status de arte.

- MONICA: Saímos do baile e fomos jantar. Depois ele me levou em casa. Fomos pra casa e eu disse que a gente tinha que ficar no corredor. Tava uma delícia, mas quando eu vi que tava ficando presa encanei com a câmera de segurança e fugi. Bati a porta na cara dele e deixei ele com o pau quase na mão.

Carol achava muita graça de tudo, com um cigarro fininho na mão ela ria e discordava com a amiga.

- CAROL: Aaaaah que maldade. Deu o telefone certo pelo menos?

As duas moravam juntas. Tinham hábitos e horários parecidos. A diferença era o movimento nos quartos. Carol era extremamente regular no sexo, morava na suíte da casa. Passava semanas com a mesma pessoa, mas logo enjoava. Quando estava “solteira” o quarto também não ficava vazio. Ao passo que só uns pouco heróis chegavam ao quarto de Monica.
Carol gostava de sexo. No colégio e agora na faculdade exercitava esse prazer. Monica, tinha um hábito secreto. Durante a noite, sempre que o quarto de Carol estava envolvido pela energia sexual, Monica ia até a porta de Carol e, com todo o cuidado, olhava pela fechadura da porta. Todas as noites assistia a amiga e seu amante fazendo sexo.

Carol, depois de 3 meses de estudos de cálculo e uma viagem de faculdade arranjou um namorado, Martinho. Martinho era um bom rapaz. Nascido na Tijuca e torcedor do Flamengo. Estava sendo um verdadeiro guia da cidade. Sempre iam a praia e bebiam mate-com-limão.As duas só entravam no mar junto com ele.
Martinho morava longe da faculdade. Era nascido na tijuca mas morava no Alto da Boa Vista. Com isso passou a ser quase-morador do apê. Se adaptou perfeitamente a rotina e comprava pão toda a manhã. Com isso Carol estava todos os dias “com a pele boa”. Martinho era o caminhão certo para a quantidade de areia que era Carol. Monica, quase não dormia a noite, somente quando transavam no banheiro da suíte. Nesse caso era impossível, e Monica voltava pra sua cama frustrada.Monica pensava em fazer um furo do seu quarto, para assistir com mais conforto as transas.

Dia desses, sairam os três para beber. Martinho era bebedor de uísque. Sempre que a condição financeira permitia, bebia uísque. Nessa noite estava decidido a beber scotch com Monica e Carol. Martinho era bom de lábia e assim que terminou a pizza pediram a primeira rodada.
Voltaram para casa depois do fim da garrafa. O uísque é uma bebida diferente. Voltaram os três com o corpo quente. O tesão foi subindo junto com o elevador. Carol estava pronta, pensava até em assistir pelada dessa vez.
Monica abriu a porta da sala e logo deixou o casal a sós querendo adiantar tudo. Carol e Martinho começaram na sala e depois foram para o conforto do quarto. Monica pé ante pé vai até a porta e olha através da fechadura. Monica se surpreende ao ver a amiga se masturbando e gosta da novidade. Martinho sai do banheiro e começa a beijar a namorada. Monica está ofegante se esfregando na porta. A força é tanto que a porta desaba revelando sua presença.
O casal olha embasbacado a amiga nua só com a maçaneta na mão

- MARTINHO: Monica? Tudo bem?

Martinho olha pra namorada confuso, e volta a olhar a amiga nua na porta.
Carol não se faz de rogada e estimulada pelo uísque abre começa a amarrar lençóis no espaldar. Enquanto isso Martinho levanta-se da cama e carrega Monica até a cama. Carol prende Monica na cama e os dois incluem a amiga na farra sem perguntar nada a ela.
Depois desse dia Monica nunca mais provocou ou fugiu de sexo. Os três estão felizes até hoje, cada uma tem um filho, Martinho tem dois.�

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, você acredita que li esse texto ouvindo Martinho da Vila?! Loucura...

    ResponderExcluir
  3. Agora, acho que você trocou os nomes no final! Quem namorava Martinho não era Carol? De repente Carol virou a voyer?

    ResponderExcluir